Pirataria em implantes é tema de discussão no CIOSP

Este ano o Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo terá a Arena CIOSP, um espaço de complementação do conhecimento totalmente voltado ao atendimento das necessidades práticas do profissional de Odontologia. Nela a ABIMO promoverá quatro palestras com o intuito de alertar os participantes a respeito da pirataria em implantes e componentes odontológicos.

O advogado Rodolfo Tamanaha, associado da ATC Advogados e presidente da Comissão Especial de Inovação da OAB/DF, abordará o tema no âmbito jurídico, traçando um panorama das apreensões que a Anvisa vem fazendo em parceria com o Ministério Público e a ABIMO. Ele também abordará o assunto do ponto de vista do consumidor, já que o dentista que se utiliza de produtos piratas prejudica seus pacientes e pode ser penalizado. O envolvimento do CFO, dos CROs e de outras entidades em ações com os dentistas também será mencionado.

O outro convidado da ABIMO é o coordenador de Segurança Institucional na Anvisa, Marcel Figueira. Ele abordará as implicações sanitárias do uso de produtos piratas, assim como as sanções que empresas e dentistas podem sofrer.

O gerente de estratégia regulatória da ABIMO, Joffre Moraes, também será um dos palestrantes, trazendo à discussão a abordagem da indústria e a rastreabilidade desses produtos, tão necessária para o setor.

“Ao trazer esse tema à Arena, a ABIMO pretende não apenas unir todas as entidades envolvidas, mas também conscientizar os profissionais da questão da pirataria, incentivando-os a usarem apenas produtos de empresas legalizadas, promovendo mais segurança aos pacientes”, comenta o superintendente da ABIMO, Paulo Henrique Fraccaro.

Contra a pirataria

Não existem números oficiais, mas a ABIMO estima que 30% dos componentes protéticos sejam irregulares. A prática, além de desleal do ponto de vista mercadológico, é criminosa do ponto de vista sanitário e penal. “É preocupante que as empresas com tecnologias reconhecidas mundialmente tenham que se deparar com uma concorrência desleal que, como consequência, pode afetar a saúde bucal da população”, finaliza Paulo Fraccaro.

Desde 2014, quando promoveu o primeiro fórum sobre o tema, a ABIMO leva essa discussão ao CIOSP. Na primeira edição do evento foi criado o GT (Grupo de Trabalho) de Combate à Pirataria formado pela ABIMO, CFO, APCD, Crosp (Conselho Regional de Odontologia), ABCD (Associação Brasileira dos Cirurgiões-Dentistas), ABO (Associação Brasileira de Odontologia), APDESP (Associação dos Técnicos em Prótese Dentária) e também pela Anvisa.

As palestras sobre pirataria em implantes serão realizadas durante todos os dias do evento, às 11h.


Informações da Assessoria de Imprensa

DEIXE UMA RESPOSTA