Ortodontia Lingual na Odontologia do Esporte

Odontologia do Esporte

Sorrir mostra mais do que somente alegria e prazer, traz confiança, segurança, saúde e bem-estar social. Por este motivo, muitos pacientes que necessitam realizar tratamento ortodôntico não o fazem, devido às peças coladas na frente dos dentes, os famosos, braquetes, que causam uma mudança brusca na aparência.

A técnica ortodôntica lingual oferece este tratamento com os braquetes colados na face lingual dos dentes, o que os tornam invisível. Os profissionais ortodontistas que trabalham com este aparelho devem ser capacitados e ter conhecimento técnico-científico específico.

Na Odontologia do Esporte, a preferência pela Ortodontia lingual vem de encontro ao tratamento ideal, por evitar traumas nos lábios e bochechas durante este processo.

Na década de 1970, no Japão, esta técnica foi desenvolvida como uma alternativa para proteger os lábios dos lutadores de artes marciais contra os traumas causados pela prática esportiva, concomitantemente, nos Estados Unidos, para atender modelos e artistas que rejeitavam os aparelhos visíveis.

A importância da correção dos dentes dos atletas não é somente estética, mas sim preventiva. Estudos mostram que aproximadamente 80% dos atletas apresentam más oclusões.

O mau posicionamento dos dentes na arcada dental pode representar perda precoce dos dentes, tanto em amadores como nos atletas de base e profissionais.

Desvantagens como esta podem gerar consequências físicas, como perda de desempenho; menor rendimento físico; diminuição da capacidade aeróbica; estafa e fadiga precoces; sub aproveitamento dos alimentos ingeridos e queda considerável da autoestima.

O objetivo da Ortodontia é proporcionar melhora do engrenamento dos dentes e oferecer vantagens na qualidade respiratória, funcional, postural, física e psicossocial, como o aumento da autoestima. E com a Ortodontia lingual, além destes, atende também aos anseios dos clientes que desejam aparelhos invisíveis para correção dos dentes.

A evolução até a atualidade mostrou grande melhora na qualidade dos materiais; no design dos acessórios e adesão ao dente, além de maior efetividade no controle biomecânico para o ortodontista. Para o paciente, observou-se mínimo impacto na fala e mastigação, diminuindo o desconforto da língua e, principalmente tornando a técnica mais acessível a todos que a desejarem.

Durante o tratamento com o aparelho lingual, tanto os atletas como os demais clientes, que buscam uma diferenciação, sem mudar bruscamente a aparência, como artistas, jornalistas, modelos, esportistas e demais profissionais diferenciados, já se beneficiam com a melhora progressiva do posicionamento dental, sem que se perceba o uso deste.

É importante ressaltar que é preciso dar atenção especial à má oclusão dos atletas paraolímpicos, pois muitos deles usam a boca como braços, mãos e apoio corporal.

Fazendo uma breve comparação entre a Ortodontia Lingual e a Ortodontia convencional, estudos mostram que:

  • O tempo de tratamento na técnica lingual pode ser acelerada ou igual à convencional.
  • Os resultados obtidos nesta técnica são similares ao obtidos na técnica convencional.
  • O tratamento lingual pode ser realizado em todas as más oclusões também tratáveis com a técnica vestibular.
  • Evita acidentes com aparelhos fixos durante os eventos esportivos.
  • Pode ser utilizado em conjunto com protetores bucais.

Podemos concluir que a Ortodontia Lingual se tornou uma realidade disponível para clientes e atletas que querem solucionar o desconforto estético sem o uso de aparelho convencionais visíveis, evitando assim, os traumas nos lábios e bochechas durante os eventos esportivos.

Gostaria de agradecer às Dras. Anna Carolina Rangel e Lucilene C. Calliari, especialistas em Ortodontia Lingual, pela importante colaboração nesta coluna.

 


alexandre_barberiniAlexandre Barberini
Cirurgião-dentista. Especialista e mestre em Endodontia. Professor coordenador do ambulatório de Odontologia do Esporte do Centro de excelência da FIFA – Departamento de Ortopedia, disciplina de Medicina Esportiva CETE/UNIFESP/EPM. Professor Assistente de pós-graduação em Odontologia do Esporte e Traumatismo Dentário na FUNDECTO –ffo, conveniada a FOUSP. Membro fundador e diretoria científica da Academia Brasileira de Odontologia do Esporte ABROE. Coordenador da Comissão de Odontologia do Esporte do CROSP. Sócio-diretor da DioSport. Cirurgião-dentista do INA – Instituto do Atleta, do S. C. Corinthians Paulista e Red Bull Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA