Estresse na gestação compromete a saúde bucal do bebê

estresse

Os dados finais da pesquisa não tiram a responsabilidade pela doença da higiene oral precária e do alto consumo de alimentos e bebidas açucarados.

O resultado foi divulgado no American Journal of PublicHealth por pesquisadores do Dental Institute at King’s College London, no Reino Unido. O responsável, Dr. Wael Sabbath, sugere que o nível de estresse da mãe durante o período gestacional pode desempenhar papel importante na formação de cárie durante a infância.

Foram analisados os dados de 716 crianças e suas mães que fizeram parte do Inquérito Nacional Health and Nutrition Examination Survey, realizado entre 1988 e 1994. As crianças tinham entre dois e seis anos, enquanto as mães tinham idade superior a 30. Foram analisados durante a gestação os marcadores biológicos de estresse crônico (de carga alostática), especificamente os níveis de lipoproteína (HDL) de alta densidade no sangue. Além de triglicerídeos, glicose e proteína C-reativa, pressão arterial e circunferência da cintura.

Para chegar ao resultado foi levado em conta o nível socioeconômico das mães e quantas amamentaram os filhos. Também foi computado o número de visita das crianças ao cirurgião-dentista.

Em comparação com as mães que não tinham os marcadores alostáticos, as que apresentaram dois ou mais mostraram maior propensão a ter filhos com cárie. A maior incidência da doença também foi encontrada em crianças que não foram amamentadas. O nível socioeconômico não representou grande influência no resultado.

Fonte: ABO

DEIXE UMA RESPOSTA