Odontologia Hospitalar será um dos temas do CIMES

odontologia hospitalar

A Odontologia Hospitalar e suas resoluções será um dos temas de destaque na 5ª edição do CIMES (Congresso Nacional de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde), que será realizada entre os dias 18 a 19 de agosto, em São Paulo.

O congresso, organizado pela ABIMO (Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios), será um espaço de debate sobre os principais gargalos para promover a inovação no setor médico-hospitalar e odontológico.

Um dos objetivos do CIMES é que as discussões sobre a efetividade das políticas públicas da saúde proponham melhorias e novos caminhos para elevar a competitividade dos produtos nacionais. Para isso, o congresso incentiva a cooperação entre representantes do governo, indústria e academia em prol do desenvolvimento tecnológico da indústria brasileira da saúde.

A inclusão de cirurgiões-dentistas nos centros de saúde e hospitais é um debate persistente entre lideranças do setor odontológico, que sempre traz à tona a importância de profissionais especializados para a prevenção de doenças e infecções bucais no ambiente hospitalar. A prática, no entanto, sempre foi colocada às margens das políticas públicas de saúde, e ainda enfrenta dificuldades diárias para se efetivar nas rotinas de centros de saúde.

No dia 5 de maio deste ano, porém, a aprovação do PLC (Projeto de Lei da Câmara) 34/2013 pela CAS (Comissão de Assuntos Sociais) do Senado Federal deu um passo à frente e fez com que profissionais do setor pudessem comemorar o avanço, já que o texto regulamenta a presença do cirurgião-dentista nas UTIs (Unidade de Terapia Intensiva) e inclui a assistência odontológica no atendimento e internação domiciliares do SUS (Sistema Único de Saúde).

A Odontologia Hospitalar tem como objetivo a promoção da saúde, prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças orofaciais, de manifestações bucais de doenças sistêmicas ou de consequências de seus respectivos tratamentos. A prática abrange os serviços de internações de curta ou longa duração e emergência prestadas à pacientes e realizados em hospitais gerais e especializados, hospitais universitários, maternidades, hospitais psiquiátricos, centros de medicina preventiva e outras instituições de saúde com internação.

A evolução traz aos cirurgiões-dentistas a oportunidade de realizar o trabalho necessário e de finalmente oferecer à população um serviço adequado que atenda de maneira completa as necessidades do paciente. “Como agentes públicos executores das políticas em saúde e prestadores de serviços em saúde, cabe-nos trazer a luz à importância da implementação de serviços em Odontologia Hospitalar com o cirurgião-dentista ocupando um espaço ao qual pertence de fato”, avalia a presidente da comissão odontológica do Conselho Federal de Odontologia, Jacqueline Webster.

Ainda para a presidente, é imprescindível o olhar analítico sobre o processo da regulação dos pacientes, de modo a favorecer o cuidado da cavidade bucal. “Neste contexto, certos de que um dos direitos do cidadão, o exercício da cidadania, está associado à manutenção das funções de mastigação, fala, respiração e deglutição e, respeitando os princípios da integralidade, equidade e universalidade, os órgãos públicos devem facilitar e normatizar a inclusão da Odontologia na atenção hospitalar, pois a atuação da equipe odontológica comandada pelo cirurgião-dentista é peça fundamental desta engrenagem”, finaliza.

O PLC diz ainda que os planos de saúde que incluam internação hospitalar devem cobrir a assistência odontológica aos pacientes internados. Em todas as situações, esse atendimento vai depender do consentimento do paciente ou de seu responsável e, quando a assistência odontológica tiver de ser custeada pelo paciente, ele será informado dos custos antes de autorizar o tratamento.

Mais informações sobre o evento podem ser obtidas por meio do site http://cimes.org.br.


Fonte: Assessoria de Imprensa

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA