Gestão odontológica: aprimore-se e tenha sucesso

Todos os anos diversos profissionais de saúde são lançados ao mercado de trabalho, e o negócio próprio sempre foi e sempre será o caminho mais procurado para adentrar no mercado de trabalho de maneira autônoma e empreendedora. Entretanto, muitos dentistas, ao receberem seus diplomas, vivem um dilema: por um lado sabem de sua plena capacitação técnica profissional, com conhecimentos adquiridos ao longo da faculdade e, em muitos casos, de especialização – conhecimento esse, inclusive, com chancela internacional dada a qualidade de ensino das instituições, mestres e doutores brasileiros –; por outro, o pouco ou nenhum conhecimento no que se refere às técnicas básicas de gestão odontológica.

Esse antagonismo vivido pelos novos profissionais diplomados acontece devido ao modelo defasado de ensino operado pelas universidades no que tange a administração de um negócio. É necessária uma revisão substancial nesse conteúdo, aprimorando-o de acordo com as novas tendências mercadológicas e em consonância à economia atual.

O descompasso é percebido assim que o dentista inicia sua busca por algum tipo de negócio diferente, indo além da ideia costumeira de abrir um consultório. O mercado tem oferecido cada vez mais oportunidades, como diferentes modelos de franquias, gerando um amplo desafio para estes profissionais: o de se enxergar como empreendedor, reconhecer as novas realidades da área e mergulhar nesses novos universos.

Para que sejam capazes de gerenciar suas escolhas de maneira profissional, é primordial que adentrem o mundo corporativo, complementando a formação original com cursos específicos, pesquisando, planejando e procurando entender seus funcionamentos e procedimentos, principalmente àqueles ligados ao varejo, se a opção for por um negócio ligado à franchising, por exemplo.

Muito mais do que realizar consultas e exames, é necessário entender os aspectos gerenciais da empresa, passando pela qualificação do atendimento, gestão comercial, expandindo para setores de administração, vendas, marketing, recursos humanos, tecnologia e uma série de outras ferramentas capazes de tornar toda a operação bem-sucedida.

Embora muito se mencione sobre saturação no mercado, já que temos o maior número de dentistas do mundo, há muita oportunidade pouco explorada, tendo em vista que 55,6% dos brasileiros não costumam ir ao dentista regularmente, ou seja, com prazo inferior a 12 meses, conforme dado revelado pela Pesquisa Nacional de Saúde de 2015.

De olho nesse filão, os dentistas precisam se preparar para conseguir fazer uma seleção entre as redes franqueadoras existentes. Conhecer os meandros desse modelo de negócio será primordial para entender quais marcas já estão mais estruturadas e amplamente testadas, quais possuem solidez e baixa taxa de mortalidade, além, é claro, de terem conhecimento suficiente para questionar sobre o suporte oferecido e as perspectivas do negócio como um todo.

Em linhas gerais, é preciso reconhecer que, assim como o conhecimento e os estudos para atuar na área da saúde são vitais para a população e para o profissional, a educação em gestão também é vital para a sobrevivência dos novos negócios que despontam.



hugoHugo Rosin
 é gestor, diretor executivo da DVI Radiologia Odontológica, cirurgião-dentista, especialista em Radiologia e Ortodontia.

 

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA