Estética da face: a importância da prótese nasal

Quando ocorre a perda do apêndice nasal, por qualquer etiologia, seja traumática ou oncológica, o primeiro recurso para a reabilitação e, consequentemente, para a recuperação da estética facial é a indicação de prótese nasal.

A prótese nasal é uma das modalidades de prótese facial, portanto, sua confecção é de responsabilidade do cirurgião-dentista especialista em Prótese Bucomaxilofacial.

O primeiro passo para a reabilitação protética é a moldagem da região afetada, procurando copiar alguns detalhes, como cantos externos dos olhos, comissuras labiais e região do osso frontal. Essas referências são necessárias para calcular as proporções faciais e para realizar a locação simétrica do nariz. Tal mensuração recebe o nome de estudo cartográfico.

Outro recurso que pode ser utilizado é a observação de uma fotografia do paciente antes da ressecção, ou até mesmo o modelo facial de um parente próximo, procurando sempre estabelecer as características antropométricas.

Com as medidas estabelecidas, é possível iniciar a confecção sobre o modelo em gesso. Os materiais utilizados são argila, cera odontológica e/ou modelina. Os detalhes, como a inclinação do dorso do nariz, a projeção da columela, a largura da asa do nariz, o apoio da futura peça protética, por exemplo, devem ser observados e respeitados.

Essa ação requer muita atenção do cirurgião-dentista, pois cada passo é importante para a dissimulação da peça protética final.

Após a modelagem do apêndice nasal, faz-se a inclusão em mufla e a prensagem da peça protética no material de eleição.

Os materiais comumente indicados em prótese facial são a resina acrílica termicamente ativada e o silicone de grau médico, ambos devidamente pigmentados, utilizando-se preferentemente pigmentos minerais. O procedimento da pigmentação é necessário para obter a máxima dissimulação possível da prótese, aproximando sua cor e nuances à tez do paciente.

A reabilitação protética facial, em particular a nasal, por ser o órgão mais anteriorizado da face, não só reabilita como promove a harmonia e o equilíbrio, proporcionando conforto e soerguimento psicológico ao paciente portador de tal perda.


Dr. ReinaldoReinaldo Brito e Dias
Cirurgião-dentista. Chefe e Professor Titular do Departamento de Cirurgia, Prótese e Traumatologia Maxilofaciais da FOUSP. Professor Responsável pela Disciplina de Prótese Bucomaxilofacial da FOUSP. Professor Responsável pela Área de Concentração de Prótese Bucomaxilofacial do Programa de Pós-Graduação da FOUSP. Presidente da Câmara Técnica de Prótese Bucomaxilofacial do CROSP. Presidente do Conselho Curador da FFO Fundecto. Membro da Academy of Dentistry International. 

2 COMENTÁRIOS

    • Sra. Sandra, boa tarde.
      Creio que a senhora pode conseguir a informação solicitada com os conselhos e associações odontológicas da região.

      Informo alguns contatos:

      ABO – Santa Catarina
      Rua Marechal Guilherme, 147 – Sala 602
      Centro – Florianópolis – SC
      abo-sc@abo-sc.org.br

      Conselho Regional de Odontologia de Santa Catarina
      Rua Duarte Schutel, 351 – Centro
      Florianópolis/SC
      Fone: (48) 3222-4185 – Fax: (48) 3222-2111

      Abraços.

DEIXE UMA RESPOSTA