Cirurgião-dentista, como está a sua saúde ocular?

saúde ocular

Confira a entrevista com José Augusto Alves Ottaiano, vice-presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, e saiba mais sobre como cuidar da sua saúde ocular.

Por: Vanessa Navarro

Local Odonto – Quais são os índices de brasileiros que sofrem com algum tipo de problema oftalmológico?
José Augusto Alves Otaviano – Tendo como referência a revisão das projeções da população brasileira até 2030, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2008, nota-se que mantidas as tendências, em 2030 a expectativa de vida chegará a 78,33, contra 66,93 em 1991.
Além das modificações populacionais, o País tem experimentado mudanças no perfil epidemiológico da população, com alterações relevantes no quadro de morbimortalidade. As doenças infectocontagiosas, que representavam cerca de metade das mortes registradas no País em meados do século XX, hoje são responsáveis por menos de 10%, ocorrendo o oposto em relação às doenças cardiovasculares e outras também crônicas.
Em menos de 50 anos, o Brasil passou de um perfil de mortalidade típico de uma população jovem para um desenho caracterizado por enfermidades complexas. Porém toda esta transição vem ocorrendo de forma muito desigual, fato associado, em grande parte, às diferentes condições sociais observadas no País. O processo de envelhecimento da população representa novos obstáculos na busca por soluções para problemas estruturais da sociedade brasileira.
Dentre os desafios que esse veloz crescimento da população idosa traz, está o aumento da prevalência de problemas visuais, na medida em que a população se torna predominantemente mais velha.
As três maiores causas de cegueira no mundo e no Brasil são doenças que acometem, sobretudo, os idosos: catarata, glaucoma e degeneração macular relacionada à idade (DMRI), bem como erros de refração.
Tomando-se como base a estimativa da Organização das Nações Unidas (ONU), de que a população mundial atingiu em 2013 a marca de 7,2 bilhões de pessoas, o Brasil detinha no mesmo ano 2,79% desse contingente. As estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a relação entre cegueira, deficiência visual e condições econômicas permitem estabelecer estimativas sobre a cegueira no Brasil: população de baixa renda – 48,9 milhões X 0,9% = 440.100; população de renda intermediária – 118 milhões X 0,6% = 708.000; população de alta renda – 29,1 milhões X 0,3% = 87.300.
Apesar da importância das estimativas com base nas condições econômicas, elas sozinhas são capazes de mascarar outros aspectos importantes. Se olharmos exclusivamente para a evolução econômica do Brasil e a prevalência estimada de cegueira, diremos que temos melhoria nas condições de saúde ocular do povo brasileiro, mas tal afirmativa seria precipitada, sem considerar as mudanças demográficas da população.

Local Odonto – No caso do cirurgião-dentista, quais são os problemas oftalmológicos mais recorrentes?
José Augusto Alves Ottaiano – De um modo geral, os problemas oftalmológicos para os cirurgiões-dentistas seguem a prevalência das doenças visuais mais comuns para adultos e idosos, no Brasil, uma vez que consideramos que tais profissionais têm bom nível educacional e de renda. Catarata, glaucoma, DMRI, erros de refração e traumas oculares são considerados os problemas oftalmológicos mais comuns para a classe profissional citada.

Local Odonto – Quais são os fatores de risco para visão do profissional dentro de um consultório odontológico?
José Augusto Alves Ottaiano – Dentre os fatores de risco para a visão do cirurgião-dentista, devido à proximidade entre a cavidade oral do paciente e os olhos do profissional da saúde, tem-se o contato de fluido desta cavidade com o órgão da visão, gerando risco de contaminação por doenças infectocontagiosas, como hepatites, HIV, ou qualquer outra que seja veiculada desta forma.
Traumas córneo-conjuntivais durante higienização da cavidade oral, seja por qualquer instrumento – cortante manual, rotatório ou ultrassom – podem ocasionar infecções oculares graves. Visão cansada, catarata, alterações de fundo de olho decorrentes de doenças crônicas, como hipertensão arterial e diabetes, cada vez mais estão presentes, devido ao nosso estilo de vida cada vez mais sedentário.

Local Odonto – Quais são os cuidados a serem tomados pelo profissional de saúde bucal para evitar possíveis desconfortos causados pelos problemas oftalmológicos?
José Augusto Alves Ottaiano – Para os cirurgiões-dentistas é fundamental o uso de óculos de proteção durante as atividades laborativas, a fim de se evitar traumas oculares. Outros cuidados estão relacionados ao nosso estilo de vida: fazer atividade física regular, ingesta alimentar com baixos níveis de açúcar, gordura e sal, ajudam a controlar e evitar doenças crônicas que alteram a visão, tais como hipertensão e diabetes. Outro fator importante é aumentar a ingesta de antioxidantes e fazer uso de óculos de proteção solar com boa proteção UV.

Local Odonto – Por ser um fato corriqueiro em muitos consultórios odontológicos, alguns dentistas costumam se automedicar e não procuram a ajuda médica qualificada. Se não cuidados da maneira correta pelo oftalmologista, quais são os riscos de agravamento dos problemas oftalmológicos?
José Augusto Alves Ottaiano – Da mesma forma que os cirurgiões-dentistas são habilitados a fazer um exame confiável da cavidade oral, os oftalmologistas estão capacitados a examinar os olhos. Assim sendo, nossa missão é ajudar nossos pacientes, primeiramente, manter a boa visão que tiverem e evitar a redução ou perda desta; além disso, recuperá-la quando puder. A automedicação, apesar de ser um hábito do brasileiro e não de uma classe profissional específica, é um dos maus hábitos que possuímos. Procurar por ajuda qualificada tende a diminuir erros e minorar perda de saúde, sistêmica ou local.

Local Odonto – Qual é a importância das consultas periódicas com um oftalmologista?
José Augusto Alves Ottaiano – Consultas periódicas tem por objetivo educar o paciente e ajudá-lo em prevenção de doenças. Outro fator importante é o diagnóstico precoce destas, independente do órgão ou sistema afetados.

Local Odonto – Qual é a real importância do uso dos óculos protetores durante os procedimentos odontológicos?
José Augusto Alves Ottaiano – Os óculos protetores são fundamentais, especialmente para evitar contato de fluido corporal na mucosa ocular, evitando assim, transmissão de doenças infectocontagiosas. Outro fator importante é a prevenção de traumas oculares ocasionados durante higienização da cavidade oral, como na retirada de tártaro dental.

Local Odonto – Quais são as dicas para o dia a dia que podem manter a saúde ocular do dentista em dia?
José Augusto Alves Ottaiano – É de fundamental importância as consultas periódicas ao oftalmologista, a fim de se prevenir e fazer diagnóstico precoce de doenças oculares, no intuito de uma melhor visão.
O uso de óculos de proteção durante as atividades laborativas, bem como de proteção solar com bom filtro UV, realizar atividade física regular, ingesta de baixos teores de açúcar, gordura e sal, aumento da ingesta de frutas e antioxidantes, tentar controlar o estresse diário são essenciais para os cirurgiões-dentistas, assim como para todos nós.


entrevistado cboJosé Augusto Alves Ottaiano é oftalmologista e vice-presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia.

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA