A revolução da instrumentação mecanizada

canais radiculares

Embora o sucesso da terapia endodôntica dependa de vários fatores, um dos passos mais importantes em qualquer tratamento é o preparo ou instrumentação dos canais radiculares.

Ao longo de sua história, a Endodontia vem buscando um método mais rápido, eficiente e seguro para a limpeza dos canais radiculares.

As técnicas utilizadas para instrumentar os canais radiculares passaram por muitas alterações nas últimas décadas. No final da década de 1980, a liga de NITI, originada na década de 1960 para uso naval, foi apresentada por Walia et al como alternativa para a utilização do aço-inox na fabricação das limas endodônticas. A introdução de instrumentos manufaturados com ligas de níquel-titânio, principalmente aqueles utilizados com auxílio de técnicas rotatórias, tem facilitado bastante os procedimentos de limpeza dos canais. Podemos afirmar que a introdução desses instrumentos tem revolucionado a Endodontia.

Na literatura podemos observar vários estudos comprovando a eficiência dos instrumentos rotatórios de NiTi na obtenção da conicidade do preparo, menor transporte do canal, menor desgaste de estrutura dental e maior rapidez, quando comparada a instrumentação manual.

No momento atual, vários tipos de limas rotatórias estão à disposição no mercado, cada uma com suas características específicas de design, conicidade, ponta, superfície cortante, deixando ao endodontista uma ampla possibilidade de escolha para sua utilização. Esses instrumentos trabalham no interior do canal, em movimentos mecânicos rotatórios no sentido horário, empregando motores elétricos com controle de torque em velocidade constante.  O desenvolvimento da preparação rotatória com instrumentos de níquel-titânio trouxe aos profissionais a possibilidade de resolver muitos problemas de instrumentação.

Em 2008, Yared introduziu o movimento reciprocante, apresentando uma nova perspectiva em relação às limas de níquel-titânio, diminuindo o estresse da lima pelo movimento de ação de corte no sentido anti-horário e liberação do instrumento no sentido horário.

O movimento reciprocante tem como objetivo principal diminuir o risco de fratura causado pelo estresse torcional do instrumento. Recentemente, as limas WaveOne (Dentsply Maillefer, Suíça) e Reciproc (VDW, Munique, Alemanha) têm sido criadas de forma específica para uso no movimento reciprocante, sendo fabricadas em uma liga de NITI especial contendo em sua composição química a liga M-Wire, desenvolvida por meio de um inovado processo de tratamento térmico, que permite a instrumentação do canal radicular com uma única lima. Essa liga M-Wire tem como benefício o aumento da flexibilidade da lima e resistência à fadiga cíclica causada pelas forças de tensão e compressão da lima.

Os sistemas reciprocantes são, de certa forma, sistemas rotatórios não contínuos e não são oscilatórios. O fato de ter uma ação rotatória contínua alternada, diminui significantemente a fadiga do instrumento, tornando-o bastante seguro.

O design das lâminas de corte das limas reciprocantes é projetado para esquerda, não sendo indicadas para serem utilizadas na opção de movimentos rotatórios. As lâminas de corte possuem um ângulo maior de rotação (sentido anti-horário), o que determina o avanço do instrumento para o interior do canal e desempenho de corte da dentina, enquanto que o ângulo menor (sentido horário) corta na direção oposta ao ângulo maior, permitindo que a lima realize um trajeto seguro no interior do canal, reduzindo o efeito de parafusamento e redução de fratura da lima.

É importante lembrar que a grande desvantagem dos sistemas que utilizam poucas limas é que estes instrumentos são “praticamente” descartáveis, pois devido ao esforço concentrado, a fadiga é muito grande. Assim, se comparado aos sistemas rotatórios, esses sistemas podem ter um custo um pouco mais alto. Entretanto, o que podemos notar é que a simplicidade e a velocidade de preparo são fatores muito atrativos para o endodontista.

 


stella okStella Ganassim Palhares
Cirurgiã-dentista. Especialista em Endodontia. Especialista em Dentística Estética. Diretora administrativa da DS Oral Odontologia Avançada.

 

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA